O home office não serve mais pra mim

Já são quase 7 anos trabalhando em casa e cheguei à conclusão que não dá mais. Pensei muito em escrever esse texto, sei o quanto muitas mulheres/mães se identificam com o meu estilo de vida. Por isso antes de começar a contar sobre a minha decisão, preciso falar umas coisinhas:

  • Enquanto meus filhos eram muito bebês (porque continuam sendo), a melhor coisa do mundo era poder ficar perto deles em tempo integral, então continuo achando essa situação muito favorável para qualquer mãe empreendedora, mesmo que você tenha que conviver com mil papeis na sua mesa de jantar. 
  • Já tive muitas situações diferentes dentro da mesma experiência: Comecei trabalhando em casa enquanto Vini era recém-nascido. Depois ficou mais tranquilo porque ele passava um turno na creche. Quando estava em casa ele era um bebê muito calmo, que ficava quietinho enquanto eu estava no computador, logo era fácil conciliar, apesar do meu maior desafio na época ser mesmo dormir, já que o pirralho mal grudava os olhos por mais de duas horas. Após o nascimento de Bernardo já era uma realidade completamente diferente: Tinha uma casa enorme com direito a escritório em um “anexo” que também pertencia a casa, duas pessoas ajudando com a loja online, um marido trabalhando na outra ponta de produção, uma babá apenas pra cuidar das crianças e uma diarista duas vezes na semana. Obviamente que eu não tinha um tempo de 8h às 18h pra trabalhar, porque tudo ainda passava por mim, desde uma decisão importante sobre a loja, a uma pauta pra aprovar no blog, os cuidados dos meninos que eu sempre exerci e os afazeres domésticos diários.

Uma coisa é home office com filhos e outra sem filhos. Ter problema pra administrar uma rotina porque você se distrai fácil no Facebook ou tem vontade de largar o trabalho e correr pra terminar de assistir a sua série favorita é uma coisa, não conseguir administrar o tempo por ter duas crianças pequenas e dependentes em casa é outra completamente diferente. E não, não estou reclamando, mas esse é realmente um post pra quem se encaixa na segunda opção.

trabalho home office3

Tendo exposto a maior vantagem de todas, que é acompanhar o crescimento dos pequenos, as várias formas com que já vivi a experiência e o maior desafio do dia a dia, que é conseguir me organizar com os dias que parecem ser tão curtos, vou te contar como é a minha realidade hoje, só narrando meus três últimos dias:

Segunda – 28/03/2016

Acordo às 6h30 esperando alguém com menos de um metro bater na porta me pedindo o “gagau”, esse é o horário habitual. Viro pra um lado e pro outro e o danado só chega às 7h30, sorte a minha, pena que não consegui dormir nessa “hora premiada”. Levanto, faço o leite, chamo a Peppa na tv e desmaio no sofá, sonolenta. Após uma hora o mais velho acorda com fome e pede almoço (Sim, almoço), faço um pão com queijo e suco, entrego no sofá mesmo, olho a minha volta e “Vamos lá Ana, hora de despertar de uma vez por todas”. Começo forrando as camas porque já vi em algum lugar que isso já traz um alívio, varro a casa, passo um pano na sala e nos banheiros, chego na cozinha. Ah, me lembrei que deixei roupa na máquina de lavar no dia anterior, ponho no varal. Saio com minha mãe e os meninos pra olhar uma casa pra ela morar, paro na padaria pra comprar muçarela. Volto pra cozinha, lavo os pratos, enquanto isso os meninos brincam/brigam lá fora, vou apartar e nada resolve, dou uns gritos e digo que vou fugir do país. Pego Bê no colo e levo pra trocar a fralda de côco. Volto pra cozinha, limpo a mesa, chamo os dois pra fazer as tarefinhas de casa, até que o mais velho começa a miar dizendo que cortou fora do tracejado e que o chão se abriu e o mundo dele desabou, chora, diz que vai levar zero e que é a criança mais azarada do município, sendo que foi apenas um corte fora do tracejado. Começo a fazer o almoço e enquanto as penelas estão no fogo chamo o pequeno mor pra tomar banho, ele faz um escândalo, a resistência do chuveiro queima no meio do banho e meu arroz começa a grudar no fundo da panela. Deixo o primeiro na escola, corro pra deixar o segundo, que chega atrasado e tem que entrar pela outra portaria e “Vou me perder porque não sei chegar na minha sala por aqui”. Respiro fundo, peço pra ele brincar de labirinto, explorar a escola, pedir informação a algum funcionário, te vira, pioio. Volto pra casa, almoço, tomo um banho gelado e começo respondendo meus emails, são 14h30. Termino de escrever um post que eu tinha que ter entregado na sexta passada e pronto, já deu 16h59, (Saldo: duas horas e meia de trabalho) e já estou atrasada pra pegar o mais novo. Chego em casa e corro pra preparar o jantar enquanto eles riscam o uniforme com canetinhas coloridas e só me dou conta da travessura quando chego na sala, tá tranquilo, tá favorável. Esquento água no fogão e todo mundo toma banho de cuia, pena que não foi apenas um banho de cuia, porque o shampoo estourou no chão e o mais novo escorregou na saída do banheiro. Corro pra lavar os pratos de novo enquanto eles assistem desenho, dobro a roupa tirada no varal, passo uma vassoura na sala e prometo que ainda vou terminar o post e responder os comentários nas redes sociais. Ah, responderei as mensagens no celular e quero programar meu dia de amanhã pra que não seja essa loucura. Bernardo dorme as 20:00h, acorda de novo às 21:30, consigo fazer dormir mais uma vez e Vinícius diz que tá sem conseguir dormir, mas lá perto das 23:30 ele finalmente pega no sono, aleluia. Tomo meu banho e corro pra assistir o último episódio de The Walking Dad porque a vida deles parece ser tão mais fácil que a minha, tô com inveja, já quero um apocalipse zumbi. Não, não consegui voltar pro computador. Sim, dormi nos primeiros 20 minutos de filme.

Terça – 29/03/2016

Acordo no mesmo horário e a manhã é quase igual a anterior, o mesmo ritual, só que hoje as dores eternas da chikungunya estão mais fortes que o habitual. Quero chorar, saio mancando pra cozinha, tomo os analgésicos que vejo pela frente e começo a fazer um feijão. Uma DR no grupo do Whatsapp da família completa o meu bom dia e parece que o assunto principal sou eu, rs. Respiro fundo, respondo ligeiramente e tento relevar. Após cumprir todos os rituais de casa e filhos, vou ao supermercado fazer compras, passo na loja que emoldura quadros e finalmente entrego o pôster que estava dentro do carro há mais de 20 dias.  Sai de casa sem tomar banho, hoje realmente foi impossível, mas passei um rímel e corretivo nas olheiras. Chego em casa, guardo as compras, corro pro banheiro, são 15h. Respondo emails, mando documentos e recebo uma ligação do corretor, dizendo que conseguiu uma sala pra mim por um preço bem fajuto. Desconfiada que tá bem barato pra ser verdade, começo escrevendo um post pro blog, mas não demora muito e já são 17h (Saldo: Duas horas de trabalho). Pego o mais novo na escola, que faz birra pra sentar na cadeirinha do carro, e vou conhecer o local que talvez me faça ser mais produtiva e feliz profissionalmente. Corro pra pegar o segundo na escola, passo no posto pra abastecer e vou embora pra cidade vizinha, eles tem consulta no dentista as 18h. Chego 20 minutos atrasada, debaixo de um dilúvio. Levei o chinelo no carro, porque as dores que sinto nos pés são tão fortes que penso “Vou colocar o salto somente quando chegar no consultório”. Após 30 minutos de consulta me dou conta que estou com uma blusa de mangas compridas de botão e uma Ipanema rosa nos pés, enquanto isso uma escova elétrica dentro da boquinha do mais novo faz ele parar de tentar morder a mão da dentista e eu relaxo aliviada na cadeira que estou deitada com ele no meu colo. Voltando pra casa vejo que esqueci o “gagau” e tome choro no caminho de volta (Agora provavelmente de fome). São 20:18 e abro as portas de casa já correndo pra fazer uma mamadeira, enquanto vou colocando o pijama e trocando a fralda. Decreto que eles dormirão sem banho mesmo, ninguém vai morrer por isso. Os corpinhos podem até tá bem sujinhos, mas os dentinhos de leite estão super saudáveis, sem nenhuma cárie e depois da aplicação de flúor estão super brilhantes, fico orgulhosa do nosso sucesso. Faço um lanche pro mais velho, deito os dois na minha cama pra relaxarem vendo um filminho e corro pra tomar um banho meia boca, a água tá gelada MESMO. As 23h a casa tá um silêncio, tenho uma crise de choro e ainda bem que o namorado tá por perto pra aliviar, mas logo, logo alguém bate na porta, eu enxugo as lágrimas, abro a porta e saio do meu colo pra mais uma vez ser o colo de alguém. Bê dorme e eu durmo junto, acordo somente de madrugada e volto pra minha cama.

Quarta – 30/03/2016

08:00 tá todo mundo acordado pedindo pão crocante. Depois de alimentá-los, ligo o computador e a internet não está funcionando. Mando uma mensagem de áudio pelo Whatsapp e começo arrumando a casa. Depois de um tapinha rápido nos cômodos, começo a cortar o frango pro almoço e quando jogo o óleo na panela…o gás acabou! Escuto uns gritos lá fora e quando vou olhar o que tá acontecendo, o mais novo corre atrás do mais velho com uma tesoura escolar sem ponta. Eu sento no sofá, abro um teste desses bobos no Facebook e nele diz “Ana, você está em um relacionamento sério com a sua cama”, parece piada. Olho pra fora e eles estão agora fazendo xixi no capim que cresceu no lugar onde provavelmente poderia ter um jardim lindo, se eu tivesse tempo pra isso. Respondo dois emails de trabalho, encho dois baldes d’água e mando eles tomarem banho ali fora mesmo, já que a água tá gelada e saiu um solzinho depois do temporal de ontem. Corro pra secar o uniforme do mais novo no ferro, meu celular toca, é a financeira do carro cobrando a parcela atrasada. Respiro, tiro o resto do almoço de ontem da geladeira, faço o prato dos dois, jogo o notebook no carro, amarro os meninos nas cadeirinhas e passo no mercado pra comprar o pão de queijo da festa de páscoa do mais velho, que será hoje, às 16h. Ligo No woman no Cry no som do carro e vou cantando em alto e bom som com meu ingrês. Não almocei, entro na cafeteria com wifi e agora estou aqui, terminando textão pra me convencer definitivamente que algo precisa mudar. (Saldo: Duas horas e quinze minutos de trabalho).

trabalho home office2

No momento atual: 

Como puderam perceber, agora eu não tenho mais um lugar específico pra trabalhar, não tenho mais apoio em casa e com as crianças (por contas de vários motivos, desde financeiro até por outras razões que me fizeram não querer mais), salvo os momentos que minha família chega junto, mas que não é algo previsível nem tampouco certo de que posso contar, já que todos tem suas vidas. O pai das crianças foi morar em outra cidade por causa de trabalho, pra quem ainda pergunta, nos separamos há um ano e esse é um assunto que não quero mais falar aqui, só posso dizer que não importa em que época, condição, idade e pessoa que você escolha pra ter filhos, na maior parte dos casos, o maior trabalho em cuidar e educar será da mulher, ainda mais se houver uma separação. Eu sou total ativista de uma maternidade sem romantismo e acho injusto pra caramba que nós tenhamos que passar pela parte mais difícil sozinhas, é uma pena, para todos. Tem dias que quero mesmo descansar, me distrair e ficar bem distante dos meus filhos e não sinto um pingo de culpa por isso. E digo mais: Me sinto extremamente feliz com a minha vida, esse texto não é vitimismo, não mesmo. Estou cansada e frustada, nada mais. Minha vida não é de glamour, não estou toda semana em um resort e a rotina é pesada, sem opção de apertar o “delete” vez ou outra, é exaustivo, sorry.

Definitivamente não consigo mais trabalhar em casa como antes. Pelo trabalho que tenho com os afazeres diários, pelos cuidados e dedicação que os meninos exigem, pela demanda que é grande. Ter menos de 6 horas por dia pra me dedicar aos meus projetos me faz sentir uma frustração constante e isso tem em feito muito mal, porque sei que tenho contas pra pagar, compromissos pra honrar e duas crianças pra sustentar, além da minha satisfação pessoal e profissional em fazer o que amo.

trabalho home office1

E qual a solução?

Eu ainda não sei, rá! Mas tomei duas decisões essa semana e acredito que algo vai mudar. Primeiro fechei o aluguel da salinha e agora terei um escritório pra ir todas as tardes, fica mais próximo das escolas e vou “economizar” tempo nos trajetos. Ter um lugar pra trabalhar após 7 anos vivendo uma rotina home office, vai me motivar, me obrigar a cuidar mais de mim (Pretendo não ir de chinelo ou ficar o dia todo sem banho) e me deixar mais imersa sem distrações que surgem quando estou em casa. Segundo, terei de novo Amanda comigo cuidando das pautas do blog, das redes sociais e mais focada nos projetos que tenho pra esse ano, como a loja do blog que vai chegar chegando nos próximos meses (Outra razão forte pra ter uma salinha, não quero mais pacotes, pastas, plástico bolha e produtos no meio da minha sala de estar). Pretendo também deixar os meninos com meus pais no período da manhã nas terças e quintas, mas isso realmente não é algo certo, somente quando for possível, porque daí aproveito essas duas manhãs pra fazer mercado, banco, médico e todos os compromissos que sempre surgem no decorrer da semana.  E eu sei que em muitos dias não vou forrar as camas, que talvez as roupas só sejam lavadas no fim de semana e que não será possível fazer um feijão fresquinho e talvez tenhamos que deixar congelado pra semana toda, mas não estou me importando com nada disso, preciso mesmo voltar a trabalhar com todo empenho e o home office não me serve mais. Foi ótimo enquanto durou, haha.

No mais, aceito sugestões, dicas, palpites e desabafos. Torçam aí, que estou fazendo de tudo para que as coisas deem certo, só assim conseguirei entregar mais conteúdo com qualidade pra vocês, produtos lindos na nova lojinha e muitos outros projetos que tenho em andamento e que estou louca pra contar por aqui.

Ps: Saindo da cafeteria e indo pra festa de páscoa do mais velho, depois vou correr pra pegar o mais novo. A noite ninguém sabe como vai ser, mas ainda não tive tempo de comprar o gás, nem ajeitar o chuveiro e ainda tenho que passar pra pegar a tv dos meninos no conserto.

Ps2: Não revisei o texto, desculpem qualquer erro. Estou sem tempo, rs.

COMPARTILHE
Ana Medeiros
É a neta de D. Edite. Ana comanda o #ACQMVQ e vive diariamente decorando aqui e ali. Trabalha home office produzindo conteúdo para o blog e outras empresas das internetes. É mãe de dois pioios lindos, ama comer, desaguar nas palavras, e não dispensa uma caipirinha no fim de semana. Sabe que ser livre também é perder o controle, que morar é mais do que habitar e que um abraço apertado é melhor que banheira de ofurô.
Faça seu comentário

41 Comentários

  1. Eu trabalho em casa a maior parte do tempo, preciso ir no escritório uma vez por semana quando muito. Não tenho filhos e tenho um marido que faz a maior parte dos serviços chatos da casa (lavar banheiro, louça, temperar carnes). Então minha rotina é bem organizada e não tenho problemas com a preguiça que me acomete às vezes e dou um tempo pra assistir meus seriados. Por isso mesmo, nem sei o que te aconselhar, mesmo porque acredito muito nas suas resoluções, de alugar a sala, de procurar ajuda, o caminho deve ser esse mesmo. Eu só queria mesmo era vir aqui te deixar um abraço apertado e dizer que vai melhorar, vai sim! <3

  2. Ana esse seu ‘textão’ me lembrou um texto antigo da escola, do primário que um filho tinha que descrever a profissão da mãe e ele diz: mamãe não trabalha, só fica em casa.Hehehe…
    A realidade é muito mais dura que apenas cuidar da família, tem que cuidar do trabalho e mais as horas pra viver a tua vida e não a vida de mãe e dona de casa…Falta horas do dia,certamente.
    Desejo toda sorte do mundo nessa nova fase e que tu consiga continuar com o blog maravilhoso que aprendi a amar e visito diariamente.
    Beijos mil no coração

  3. Parabens pela coragem. =]
    Só voce sabe como lidar melhor com a vida profissional e os filhos.
    Continue fazendo o melhor pra voce e para eles e tera sempre muito sucesso!

  4. Nossa, esse post foi escrito por mim?
    Vc foi abduzida e me colocaram no teu lugar?
    Exceto pela parte do separada (ja fui, casei de novo), eu to vivendo exatamente a mesma rotina, com a diferença que não consigo tirar um puto projeto do papel, pq dos meus dois pimpolhos, um é uma piquitica de 1 ano e meio HIPER MEGA DEPENDENTE CHORONA MOR q eu amo com loucura.
    E o q me frustra é isso, passar tanto tempo fazendo coisas de casa e ser cobrada por posts q não consigo escrever, perder parcerias porque não consigo tempo pra fazer uma divulgação apropriada e bem feita, e não conseguir abrir a droga da lojinha enquanto tem gente já sacando qual é a novidade q da grana, mas HA! nenhuma tem o talento e as ideias q eu tenho.
    Q merda né? a gente ama esses coisinhos mas da um puta dum trabalho.

  5. Ana, eu te admiro muito. Obrigada por sempre ser tão sincera e honesta com seus leitores. Desej-te mt sucesso nessa nova fase e força na peruca amiga! Vc tem uma garra! E vc é mais forte do q vc crê, nunca se esqueç! Abraços fortes de uma leitora fãzaça sua!

  6. Ana,

    O tempo passa mais rápido do que a gente imagina, eu quando estou no limite, repito como um mantra: tudo passa! E depois você vai sentir saudades dos seus filhos nessa idade.
    Eu fui mãe sozinha com ajuda eventual da família e entendo o seu sentimento, seu cansaço.
    Desejo que seu novo projeto seja um sucesso, que você consiga conciliar tudo e ficar feliz!!!

    Um beijão !

  7. Ana, acompanho o blog desde o começo sabe, acho q passei por muitas partes da sua vida. Amo o blog, seu trabalho e dedicação sabe… amo tbm que vc fala de vdd com a gnt aqui, a vida realmente não é fácil e infelizmente não vivemos dentro do pinterest, com apenas cenários maravilhosos a nossa volta né. Realmente o cuidar dos filhos sempre sobra pra mulher e isso é uma merda. Te admiro demais como produtora de conteúdo lindo na internet, como mulher, como mãe (pq seus pioios são lindos) e como pessoa, pq expor sua vida na real por aqui não é fácil, precisa ter coragem… enfim só queria dizer que tem uma fã sua por aqui, te mandando boas energias, e torcendo pra q apesar de todos os obstáculos e choro vc seja cada vez mais feliz e realizada!
    Fico aqui esperando um outro depoimento desse, daqui a alguns meses contando como as coisas se acertaram depois da sua sábia decisão… heheh muito amor pra vc e coragem! <3

  8. Ai Ana! ontem antes de dormir olhei o seu ig, te sigo desde que casei em 2010 tenho dois Posters emoldurados da minha casa que comprei com vc ou seja já tem tempo que te acompanho. Sou de Maceió e até já tinha entrado em contato com vc qnd vc tinha a lojinha pois quando eu fosse a gravata eu faria questão de ir conhecer vcs, infelizmente não deu:( Hoje eu tenho um filho de 03 anos(fará dia 05/04) tbm não tenho ajuda em casa e trabalho fora, a manhã ele fica com a avó paterna e a tarde na escola. Ri muito com seu post pois em algumas ocasiões me identifiquei demais. E tudo o que vc falou a respeito dos cuidados dos filhos é a pura verdade, sempre a parte mais pesada ficará conosco. Fiquei triste quando vi que vcs haviam separado, mas só sabe quem ta ali vivendo o dia a dia né? já tive altos e baixos com meu marido a até ja pensei em separar, mas penso as vezes que se é ruim com ele pior sem ele 🙁 depois sentamos conversamos e resolvemos nos dar mais uma chance… desculpa o meu comentário enorme, mas queria que soubesse que eu te admiro demais, gosto do seu jeito engraçado e torço muito pra que tudo dê certo na sua vida. Vc tem filhos lindos e devem ser bastante apegados a vc, com saúde e isso é o que importa. Um bjo grande dessa sua fã! fiquem bem, fiquem na paz!!!

  9. Olá Ana, eu sigo seu blog há mto tempo e nunca comentei nenhum post, mas saiba você não está sozinha!
    Eu passo pela mesma situação – moro com meus 2 filhos, trabalho home office com um trabalho que exige o lado criativo e como ser criativa com criança correndo e gritando pela casa? Não é nada fácil, também sou separada e muitas vezes tenho que deixar a casa de lado, afinal preciso nos sustentar e a prioridade são os clientes e o trabalho. Mesmo em casa eu não participo da vida do meu filho menor como eu queria, como é nossa ilusão do home office, pq estamos correndo, ocupadas e com a cabeça cheia.
    Eu acredito que o que está fazendo é o correto, pretendo também ainda este ano ter meu escritório, não dá para sustentar uma casa se dedicando poucas horas ao trabalho. Você está certa e força, vá em frente, não será mais fácil mas valerá a pena!

  10. Acompanho seu blog há algum tempo, adoro, mas nunca comento… mas hj me deu uma vontade de te dizer: “É, amiga! Não é fácil ser mulher! Toca aqui! Tamo junto” rs… força aí q nada é por acaso!!

  11. Oi Ana faça o que teu coração ta pedindo no momento, aos poucos tudo vai dar certo, vai se encaixar tenho essa rotina maluca também com 3 filhos, mas já conseguir me organizar melhor mais de vez em quando a casa cai rsrsrsrs.
    Boa sorte fica com Deus vai dar tudo certo, bjos

  12. Amigaaaaaaaa! Tô aqui lendo seu post é quase chorando! Eu cultivo uma pilha de caixas no meio da minha sala desde o final do ano, que nunca arrumei depois da mudança. Nunca arrumo as camas, saio correndo sempre com a Cleonarda berrando porque ela tem que sair de casa se só eu que vou trabalhar. Aff. Hoje operei 11 olhos na parte da manhã. Dei almoço pra uma, levei na escola, peguei a outra, almoçamos, atendi a tarde toda, peguei a outra na escola, estou aqui enrolando pra fazer janta. E o post de páscoa do blog não saiu. Te amo, amiga! #tamojuntasempre

  13. Olá Ana! Por alguns motivos que você colocou em seu texto, também resolvi sair do home office há algum tempo atrás e aluguei uma sala comercial próxima de casa e da escola da minha filha. Pois é, só que não funcionou no meu caso. Minha correria continuou a mesma :só conseguia trabalhar no escritório o período em que ela estava na escola e o restante do dia continuei envolvida nos afazeres de casa e na criação da minha pequena, com o acréscimo do custo relativamente alto para manter uma sala comercial na qual eu trabalhava efetivamente cerca de 3 horas e meia. Decidi depois de uns meses voltar para o home office e tentar, na medida do possível, organizar melhor minha rotina em casa mesmo. Alice está crescendo e se eu voltar a ter um escritório, será daqui a alguns anos quando ela estiver maior e eu puder usufruir mais do investimento. rs Mas valeu a experiência, sabe? Se eu não tentasse, sempre ficaria me perguntando se essa seria a melhor opção pra mim… Desejo sucesso para você! 🙂

  14. Ana minha na ga, (depois de ler tanto o seu blog é assim que me sinto, tua amiga). Primeira coisa: isso passa. Mas passar por isso é complicado eu sei. Eu sou prof universitária (o que inevitavelmente sempre acaba rolando um homme office), faço doutorado e tenho dois meninos com idades similares aos seus. Ontem eu queria sumir. Tava com inveja do marido que viaja a trabalho e pode se desligar dessa rotina aqui uns dias.
    O que posso dizer pra te ajudar: faça listinha de coisas a fazer no dia. Faça comida pra semana (ou pra maioria dela) aos sábados e congela. Ninguém morre e dependendo da receita fica um cardápio variado. Vai dar trabalho no sábado mas vai compensar na semana. Crie rotinas e se obriga a cumprir. O mais difícil: cuide de vc. Tome vitaminas, faça uma academia em casa mesmo…..e persista! Tudo vai dar certo!

  15. Ana, como a vida da mulher é corrida, né?
    Cansei só de ler! rs
    Mas isso só mostra o quanto você é guerreira, batalhadora, esforçada e simplesmente MÃE!
    Infelizmente o papel da mulher é muito mais intenso do que o do homem, a mulher pensa em tudo, vive com a mente trabalhando intensamente e tem hora que chega a dar curto. rs
    Você está certíssima, tem que renovar, tem que mudar até que você encontre a melhor forma de conduzir tudo isso.
    Amo seu blog pela simplicidade que ele tem e também pela verdade que você nos passa.
    Desejo do fundo do meu coração que você consiga resolver tudo isso o mais breve possível.
    Um grande beijo <3

  16. Ana, super apoio a sua decisão. Sou sua fá e me identifico muito em muitas de suas falas. Ser mãe, mulher, separada não é fácil. Sempre tenho a impressão que só existem pais (masculinos) durante um casamento. Depois de uma separação é bem complicado mesmo este apoio. Infelizmente!
    Coloque sua melhor roupa (sem chinelos), tome seu banho e caminhe… sempre em frente.

  17. Oi, Ana! Não posso dizer nada do tipo: “fica firme, vai dar tudo certo!” ou “não reclame, você tem uma vida abençoada!”, ou ainda ” É assim mesmo, daqui a pouco melhora!”, porque só você sabe o que tem passado, mesmo a gente lendo não dá pra ter noção dessa rotina. Super apoio suas decisões, acho que a salinha vai ajudar bastante, e se não ajudar você saberá o que fazer. Sou sua fã, amo o blog e agradeço por compartilhar conosco suas dicas! Grande abraço! =D

  18. Ana, apesar de eu ainda não ter filhos, vivo pensando em como seria a minha rotina se os tivesse e aí me desanimo com a possibilidade, mas a idade vai apertando e em breve precisarei tomar uma decisão rs! Eu já vivo num caos total trabalhando em home office pra dar conta da casa, marido, trabalho, blog, canal… imagina você com tudo isso e mais loja e filhos… não deve ser nada fácil, se estes foram os 3 dias imagina quando vc ainda tem compromissos em eventos como aquele em que nos encontramos ou quando precisa fazer projetos grandes, oh God! :\ Fica até complicado eu te dar um conselho, uma ajuda já que não tenho filhos, mas talvez você possa aproveitar essa nova fase de ter um sala comercial e estipular um horário maior de trabalho como se vc estivesse em um emprego mesmo, sabe… afinal de contas, quando estamos empregadas precisamos abrir mão de outros afazeres. E o que vc não dá conta, vc delega funções… trabalhando mais tempo vc geraria mais verba para poder pagar outras pessoas pra cuidar daquilo que vc não pode no momento. Mas nunca esqueça de vc mesma, uma boa é reservar os finais de semana para vc e sua família, o fim de semana é sagrado, não fique o sábado e domingo tentando limpar a casa, fazer comida, lavar roupa e cuidar de tudo aquilo que não conseguiu na semana, delegar funções é o que há, vc é uma pessoa só! Eu estava me sentindo muito atarefada e estressada até um mês atrás quando uma grande amiga me ajudou com valiosos conselhos, hj já estou conseguindo delegar algumas funções, coisa que eu não conseguia antes por querer ter tudo no meu controle, espero conseguir me desligar mais em breve, mas vamos tentando aos poucos rs. Beijos e fique bem aí Ana, qualquer coisa estou por aqui tbm! <3

  19. Olá Ana,
    Realmente as vezes precisamos de um desabafo..este mundinho cor de rosa não existe na vida de pessoa reais como nós mortais.Me identifiquei demais com seu post.Levanto as cinco da manhã, trabalho fora e faço faculdade a noite. saio de casa as 7:00 e volto as 23:45.Tenho uma filha de 9 que as vezes dá mais trabalho do que quando era pequena,e um marido que me ajuda demais..faz comida,tira roupa da maquina,passa quando necessário.Mas mesmo assim vivo exausta..parece que a casa nunca está com as coisas no lugar..Tô sempre sem tempo e preciso escolher entre ver um filme com minha filha..dar uma geral no banheiro ou tirar as roupas do varal.Meu marido trabalha em horários totalmente diferente dos meus, quando chego ele ta dormindo..quando durmo ele vai trabalhar e quando ele ta em casa to no trabalho ou na faculdade. São quatro horas diárias dentro do ônibus e ou metro por dia que sinto que como se estivesse jogando estas horas da minha vida pelo ralo.Ufa..E mesmo depois desta maratona percebi como meu problemas são pequenos se comparados com os seus..Amiga tenha calma.. respire fundo..não há mal que não termine .Acredite que as coisas vão melhorar..Consiga alguém pra ficar com as crianças..e passe um dia num lugar legal sozinha ou acompanhada do namorado..permita-se fazer as cosias com calma neste dia..no seu tempo .Coma quando tiver vontade,tome aquele banho longo com calma..,pense em todas as coisas que você ainda quer conquistar e que no final tudo valerá a pena.Sinta-se abraçada.bjs

  20. ana, que texto maravilhoso! faz tempo que não vejo algo tão sincero nessas redes. pode parecer bobagem, mas essa catarse já é o começo de tudo. confia e vai. abraça a coragem. beijo!

  21. Oi Ana! Também sou mãe, e sei bem o que é isso!
    Bem, já que vc pediu, me sinto a vontade para dar algumas dicas que funcionam lá em casa.
    Cozinhar, só uma vez por semana, tudo congelado, até a salada já fica lavada, e vez ou outra, fechar um serviço marmita é ótimo!
    Até macaxeira tenho congelada, compro na feira já descascadinha! Maravilha!
    Lavar banheiro e passar pano na casa também só uma vez por semana. Alguns dias um aspirador de pó e tá ótimo!
    Os meninos podem ir ajudando também, lá em casa ajudam guardando e dobrando suas roupinhas, passando pano humido nos móveis.
    Domingo não tem moleza lá em casa, é dia de lavar roupa, arrumar a casa e fazer comida, não tenho diarista!
    Acordo as 5h todo santo dia! E foco no trabalho, face e instagram vez em qnd só.
    Sinto falta de fazer atividade física, mas também não estou me incomodando tanto, prefiro dormir!
    Bjo!!!!

  22. sei que nada tem receita de bolo, que essa é a nova rotina que se apresenta em um novo momento da sua vida.
    Mas acho que vc deveria pensar na possibilidade de colocar os meninos em escola de turno integral e aí se dedicar a tocar os projetos, a noite vc estaria menos exausta da rotina de corre corre e a qualidade do tempo com eles, namorado e com vc vai ficar muito melhor.
    Alguns podem criticar as escolas em tempo integral mas se vc estiver em um emprego formal isso iria acontecer.
    Não adianta esta o tempo inteiro com eles se a qualidade desse tempo é de sofrimento para todos.

    Espero que vc fique bem, que o blog volte a dar flores e frutos e que essa nova caminhada seja de luz.
    Bjs Hay.

  23. Haha Ana, suuuuper me identifiquei. Tenho 2 meninas de 4 e 7 anos e toco o blog de casa no meio desse ratatá que você descreveu tão bem. Posso garantir que você está mehor do que eu já que ainda não consegui me livrar da @#%$& culpa. Quer dizer, eu SEI que não tenho culpa mas SINTO culpa, por não fazer tudo mais e melhor e com bom humor 100% do tempo. Só terapia na causa…
    Adorei saber que você alugou um espaço fora de casa. Seu espaço. Seu domínio. Faz toda a diferença.
    Vai com tudo mulher. Você é musa e seu trabalho é f@da. Desejo sucesso e amor. <3

  24. Ana, período integral neles rsrs. Ex marido se mudou a trabalho? Ai que bom, vai ganhar dindim pra pagar mais um turno pros pioios. Pense em vc, se cuide, se vc pifar eles pifam junto. Um beijo e boa sorte!

  25. Concordo em gênero, número e grau no quesito maternidade. Vivo com meu companheiro, pai dos meus filhos, mas a responsabilidade de educação, lazer, tarefas, saúde e abnegação é toda minha. As mães que param de trabalhar, nós que temos que adequar nossa agenda em prol dos filhos. Nunca conheci pais que tem 100% o mesmo compromisso com os filhos. Seu ex mudou por causa de emprego? E os filhos? Pensou neles? Pensou que seria difícil? Pensou na carga que você está assumindo para os dois? Não, claro que não. Pois pais fazem “favor” nessa sociedade machista, favor de dedicarem um tempo para seus filhos, favor de não participarem daquele happy hour pois tem as crianças depois da escola, favor de colocar as crianças pra dormir, ajudar nas lições de casa. A maternidade não é justa, e posso falar com propriedade que se tivesse o compromisso total do pai dos seus filhos, o mesmo empenho que a mãe tem em coloca-los em primeiro lugar, 80% das suas frustrações, cansaço e falta de tempo seriam eliminados. Um foda-se pra essa sociedade.

  26. Ana, Adorei o texto (como tudo por aqui). Adoro o jeito como você escreve, sem medo e sem floreios, as coisas da sua vida, o que nos deixa tão próximas de você (é como se realmente fôssemos amigas íntimas).
    Quanto ao seu momento atual, tenho certeza de que encontrará um caminho que atenda, da melhor forma possível, às suas necessidades. O principal você já possui que é a disposição seja de lutar, de mudar, de se expor ao risco, de pedir ajuda… pô, você é muito corajosa!
    Eu aqui desse lado só posso torcer muito e é o que faço desde que conheci o seu blog lá em 2010.
    Vai lá “mulé”, que tudo vai dar certo e o que não der é porque não era pra ser!!!
    Bjssss mil.

  27. Poxa Ana, fiquei sem ar com sua rotina menina! Tenho uma vida bem corrida também, mas não trabalho home office e não tenho filhos. Mas eu só queria te dizer que te acompanho já a mt tempo, e que torço muito para que logo logo dê tudo certo. A minha vontade era de poder te ajudar de alguma forma, mas moro em BSB, sem chance né? Te admiro pela garra, foco, força e coragem de cuidar de tantas coisas sozinha, você já provou que é capaz e que dá sim conta de tudo isso. Espero de coração de dê tudo certo nessa nova mudança. Um abraço bem forte.

  28. Ufaaa, Ana parabéns ein eu fiquei cansada só de ler kkk, suas medidas para melhorar já começaram muito boas, adoro o blog e não vejo a hora da lojinha 🙂

    Beijo

  29. Ana, te sigo há algum tempo, amo seu trabalho, mas nunca me manifestei! Até hoje… Porque esse texto me tocou, me reconheci. Também estou vivendo isso, com uma “nenê” de quase 3 anos e um bebê de 7 meses… E olha que conto com ajuda de marido e sogra! E quase surto…. Por isso entendo seu dilema!

    Vamos às sugestões: estude a possibilidade dos meninos ficarem mais na tempo na escola, e com almoço e jantar incluso. E transporte escolar para leva-los e busca-los!
    Isso vai te dar tempo de qualidade com eles e um bom tempo para produção no trabalho.

    O gasto a mais com essa mudança, será contornado com vc focando no trabalho, que com certeza vai te render mais frutos e bons retornos!

    Fora o equilíbrio interno, saúde, serenidade e cabeça fresca, que não tem preço! Com isso, sua criatividade e foco vão voltar, e vc vai se reencontrar.

    E peça ajuda para amigos e familiares sempre que precisar!

    E outra coisa: isso passa… É uma fase que depois vai dar saudades!

    FORÇA!!!!!

    Beijos, Sarah

  30. Genteeee! Ana, Querida, super me identifico com sua situação. E olha que não tenho filhos pequenos. Todos moram fora, já são adultos, mas sinto falta de um lugar para produzir. Estar em casa nessa vida dupla, tripla ou sei lá o que, não me faz feliz. Parabéns por sua força. Eu torço muito por ti. Vai dar tudo certo, pois você é muuuuito guerreira.

    Bjo no coração.

  31. Amiga, vida de mulher/mãe não é fácil, mas precisamos acostumar os nossos filhos a contribuírem com os afazeres da casa, mesmo que somente estiquem as camas, mesmo que tirem o pó…O fato de também participarem dos afazeres, faz com que valorizem o seu trabalho e percebam que além de mãe vc é profissional.
    Um dia as suas noras te agradecerão…Temos que criar os nossos filhos para a vida..
    Nada como uma boa conversa e esclarecer que agora sua vida e rotina será diferente e que vai precisar da ajuda de todos..
    Boa sorte e que você continue a contribuir com sua criatividade e talento!
    Vamo que vamo mulherada.

  32. Ana, vc está certíssima em buscar novos ares. Ter um ambiente de trabalho vai te deixar mais produtiva e focada. Além disso, vai ficar mais fácil de assimilar o que é descanso e o que é obrigação. Assim qdo vc voltar pra casa vai ter aquela sensação de que o dever foi cumprido. O primeiro passo eh esse realmente. Além disso, tenta delegar algumas funções, se seus pais podem ajudar ficando com os meninos uma ou duas manhãs por semana, vai ser maravilhoso para todos! Vc eh humana e tem todo o direito de querer se realizar profissional e pessoalmente. A partir disso, tudo vai fluir melhor, inclusive a maternidade! Esses ajustes são necessários e importantes para todos. Tudo vai entrar nos eixos. Um beijo

  33. Ser mãe de dois “sozinha” deve ser duro… Espero que a solução encontrada por você surta o efeito esperado, quanto às coisas de casa sugestões:
    – Organizar um calendário com o que fazer a cada dia (Tipo: Segunda, quarta e sexta varrer a casa; terça, quinta e sábado lavar o banheiro; determinar um ou dois dias pra lavar as roupas já que juntar bastante pra lavar economiza energia);
    – Comprar comida fora pode significar economia, sabia? Não todos os dias, apenas naqueles que estiveres muito atarefada com as coisas de casa… Do mais podes congelar, agiliza TAAANTO!
    – Se não tá dando conta das coisas de casa, precisas de tempo pra ensinar as tarefas de casa, pra dar banho, dar comida e correr pra tudo que é lado, Ana, sério… Precisas de ajuda. Ter uma pessoa em casa pra fazer faxina 1 ou 2 vezes por semana não vai significar fracasso, só vai somar… Se nos outros dias não der tempo de forrar as camas ou de dar uma “varridinha na sala”, quem é que vai julgar?
    Do mais, torcendo por vc.

  34. Ana sua linda, sororidade. Infelizmente a sociedade parece não colaborar muito com as mães. Escolas com horários estranhos e inflexíveis, médicos, compromissos mil, e por mais que a gente ame os pequenos as vezes dá vontade de dar um pause em tudo e cuidar da gente, Não existe receita do sucesso e eu também não sou lá muito organizada, mas congelar a comida, abrir mão (um pouco) da organização da casa e delegar funções (até mesmo pro pai em outra cidade, afinal pra isso existem fins de semana, feriados, etc) costuma melhorar. Talvez também seja interessante pensar em uma escola em tempo integral pelo menos alguns dias da semana. Dá dó (deles e da gente) no começo, mas o que realmente importa é a qualidade do tempo juntos, e quando a gente está sã consegue se doar muito mais pros nossos pequenos. Sinta-se abraçada!

  35. Ufa! que desabafo, que correrias, que rotina… Seu post me deixou divida: fiquei imensamente feliz de ver que alguém na blogosfera tem vida real, com fase de stress, filhos e tal. E triste, por ser a maior verdade do mundo: A RESPONSABILIDADE DOS FILHOS SOBRA TODA PRA MÃE!. Tenho um casal de 3 e 1 ano, e quase surto com tudo isso. apesar de ter marido em casa, que ajuda e tals, sobra tudo nas nossas costas… entendo perfeitamente sua situação. Os meus ficam na creche e eu levo e busco, e mesmo assim já é super corrido… Boa sorte nos seus novos projetos e acho q o segredo é exatamente o que vc falou: as vezes é preciso ficar longe deles, relaxar e aproveitar, sem culpa. Bjos

  36. Ana, eu te acompanho ha muito tempo também e vibro com tudo que vc faz, pode ser coisas simples, como pintar o quarto das crianças a coisas importantes como mudar de cidade. E hoje senti orgulho do seu post! Tão legal ver alguém de verdade do outro lado, que compartilha situações que são complicadas, mas são tão a nossa cara, que mesmo querendo te ajudar também não sei a solução pq estamos juntas no mesmo barco. Sei que vale a pena fazer o que se gosta, que temos vontade de chorar, mas mesmo assim essa é a escolha certa. Você é guerreira demais! Vai conseguir!!! Vou ficar aqui na torcida!!!

  37. Ana querida,
    Faz tanto sentido o que você escreve! Não é por acaso que tantas mulheres comentamos!
    Minha rotina é semelhante, porém, o fato de sair para trabalhar é libertador. Mesmo no meio da crise, quando tudo fica mais lento, a melhor opção é deixar o Home office, várias vezes já fantasiei pensando que tal poderia ter uma loja virtual somente e ficar em casa, com meu filho. Porém, entendo que não, que é preciso, para estar bem com ele, com meu marido, e, principalmente comigo sair, ter minha rotina e meu espaço.

    Lhe desejo o melhor!
    Um beijo no coração

  38. Faz tempo que não passo por aqui… última vez era sobre relatos dessa casa que você citou. O blog tá cheio de novidade é tô adorando. Sobre as mudanças, sempre são complicadas mas servem para nos modificar e por vezes nos impulsionar. Interessente.. ontem eu estava desanimada e reclamando do meu trabalho .. sou advogada e meu escritório tem 2 anos.. estou me sentindo desanimada e esgotada.. sem vontade de produzir. Vejo que devemos sempre buscar saídas.. sua rotina é difícil .. desejo força e que dê certo. Vou voltar a a visitar aqui todos os dias! Pelo lado positivo estou morando com meu namorado e em uma nova fase da vida e estou muito feliz!! E.. preciso de idéias baratinhas para a decoração

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here