55 metros quadrados de simplicidade e um “costumezinho” safado

Sempre que saio andando pelas ruas, sou o tipo de pessoa inconveniente que não resiste olhar pra dentro da casa dos outros. Defeito péssimo, ridículo e incontrolável. Se eu tiver passando pela sua calçada e a porta estiver aberta, pelo menos uma rabiada de olho, darei! Desculpa sociedade.

Não é por mal, não é pra julgar, é  somente um costume safado, que nesses últimos dias tem me feito refletir sobre essa mania que a gente tem em se cobrar demais pra que a casa esteja impecavelmente decorada, como se essa fosse uma condição obrigatória de se sentir bem onde se vive.

É que meus vizinhos da mesma rua não se importam muito em saber das últimas tendências da Mostra de Decoração, eles não compram nenhuma revista de R$4,99 na banca do jornal, eles estão pouco se importando com a cor do ano e nem fazem ideia que moram ao lado de uma blogueira que fala diariamente sobre o assunto, aliás, quando me perguntam o que eu faço da vida, digo apenas que trabalho com internet (E Deus queira que eles não pensem que passo o dia na frente de uma webcam fazendo strip).

Tá Ana, e ai?

E aí que ultimamente todos os clichês ao meu redor transformaram-se apenas em simplicidade bonita de se ver. Que a originalidade não interessa muito, e por mais que a gente curta uma nova “invencionice”, modinha ou ideia super bacana, felicidade mesmo é chegar em casa e ter uma cama confortável, um lençolzinho velho e uma caneca de estimação, onde o café, a coca cola e o suco ficam mais gostosos.

simplicidade

O quadrinho pintado pela tia artista, o candieiro que funciona até hoje, a cadeira que não foi reformada com o tecido de formas geométricas, o móvel desgastado pelo tempo… Apartamento lindo lá na Califórnia, talvez sem nenhuma pretensão. Poderia muito bem ser a casa da Dona Maria.

decoração simples2

decoração simples3

decoração simples4

decoração simples5

decoração simples6

decoração simples7Imagens.

 

COMPARTILHE
Ana Medeiros
É a neta de D. Edite. Ana comanda o #ACQMVQ e vive diariamente decorando aqui e ali. Trabalha home office produzindo conteúdo para o blog e outras empresas das internetes. É mãe de dois pioios lindos, ama comer, desaguar nas palavras, e não dispensa uma caipirinha no fim de semana. Sabe que ser livre também é perder o controle, que morar é mais do que habitar e que um abraço apertado é melhor que banheira de ofurô.
Faça seu comentário

11 Comentários

  1. Ana, eu sou assim também, e a minha mulher morre de vergonha! No condomínio, quando eu vejo uma janela aberta, meu nariz fica coçando de vontade de dar uma “bizoiada”…rsrsrsr … acredita que essa noite eu até sonhei que fazia isso? Adorei o seu texto. Acho que a gente que trabalha com o visual (você casa e eu moda masculina), acaba se cansando um pouco de “tudo novo toda hora”. Chega uma hora que a camisetinha mais fubentinha é o que a gente mais quer! Um abração, ADORO seu site desde que era blog!!!! (

  2. Nossa!!! Como eu me identifiquei com essa ‘mania’ de olhar para a casa dos outros…kkkkkkkkk…Quando caminho pelo bairro, gosto de observar as casas, olho cada detalhe e viajo imaginando o que cada objeto, pode representar para os moradores, a sua história, a escolha das cores…Já fui mais exigente com a decoração de minha casinha, querendo tudo organizadinho, mas hoje percebo que o gostoso da vida é ter um lar que tenha a sua cara mesmo, sem regrinhas…Uma casa verdadeira, com cheirinho de felicidade!!!..bjs Ana, amoooo seu blog!!!

  3. Oi Ana, acompanho seu blog há pouco mais de um ano e gosto muito. Tanto que inspirada por você e algumas outras blogueiras também criei o meu bloguinho. E o primeiro post foi isso mesmo, simplicidade não dói. Chega uma hora que a gente precisa parar e notar o que realmente nos faz bem. Até mais!

  4. tenho esse defeitinho também, e fico pensando com meus botões , quem será que mora ai, como vivem quem são, viajo na maionese legal, principalmente quando são casinhas com cara de casa de vó. Amo.

  5. Ana, amei seu post! Moro em um condomínio onde a planta das casas são praticamente iguais, mas todas diferentes, cada uma com o seu toque especial. Adoro espiar pela frestinha da janela para saber como um ou outro vizinho decorou o mesmo espaço que eu tenho! Que delícia saber que não sou a única mal educada a solta pelas ruas, rs!!
    Grande beijo!

  6. O q eu ando percebendo Ana, é q decorar com objetos simples, tb é tendencia…pq..vai vc comprar um pallet, uma mala antiga, ou objeto “vintage” pra vc ver qto é q custa? E até mesmo o q a gente reutiliza. são coisas q vemos em revistas de 4,99 sites e tal…

    E qdo vejo imagens da net sobre decoração simples…são todas com objetos estrategicamente escolhidos para estarem alí..quadros “simples”, colocados na parede como dita a moda…por outro lado, escrever sobre isso, sobre o q vc curte, o q coloca na sua asa, não acho nada demais…acho q gente não precisa se envergonhar de ser dona de casa, e escrever sobre decoração. Poxa..é um tema q gostamos…podia ser qq outo, meio ambiente, ETs, jardinagem, automobilismo, vinhos, fitnes, adoção…enfim..

    Escrever sobre qq coisa, é ter liberdade de expressão, de pensamento…é uma troca…de futilidades? Depende do ponto de vista!

    Eu acho q assim como não faz diferença pro vizinho o q vc coloca em sua casa, as revistas q vc compra, os sites q vc lê e tal…tb não faz pra vc, como ele vive na casa dele, pq ninguém pensa…olha, ele tá chegando em casa, aonde ele vai sentar, com qual copo vai beber água…tem toalha bordada no banheiro dele? Não…ele chega em casa , fecha a sua porta e pronto…ele na vidinha dele e vc na sua, tranquilo, cd um com suas curtições, sem traumas, neuras e culpas.

    A gente não tem q ser igualzinho o outro, a gente tem q respeitar o outro!

    Acho sim, q faria uma grande diferença, se as pessoas não respeitassem “as diferenças”. Pq elas existem, e são super bem vindas, desde q não prejudiquem ninguém…q mal tem?

    O q eu não acho bacana nesse mundinho da blogsfera, especificamente no tema de casa e decoração, do qual faço parte…é a pessoa querer ditar moda…querer dar pitaco, onde não é chamado…tipo, coloquei uma coisa lá na minha casa…e vem um e fala…ah, mas pq vc não fez assim, ou assado…oxi?! Pq eu não quis ué…é diferente de vc perguntar…gente, o q vcs acham e eu colocar a mesinha aqui? Estou em dúvida com isso ou aquilo, alguém pode me ajudar? Alguém tem uma idéia melhor? Aí blz…mas se vc está mostrando só pra compartilhar…a alegria de aos poucos conseguir arrumar o cafofo q vc suou tanto pra conquistar…seria muita falta de gentileza da pessoa q mesmo pela net, entra na sua casa pra falar um monte de baboseira, querendo, quase q forçando q vc arrume seu canto como ele “ACHA” q é certo.

    Então minha miga, continue fazendo o q vc GOSTA de fazer, q é arrumar o seu cantinho, sem nenhuma pretensão de ser melhor, nem pior que ninguém…somente de compartilhar a alegria q vc sente em cuidar da sua casa do seu jeito, com coisas q agradam seus olhos e seu coração e tb da sua família…pois com certeza, agrada os nossos olhos tb e claro, respeitando sempre a casa do vizinho q toma café no copo de masditumati e tb é feliz assim…e mostra aí a sua casa q a gente mostra a nossa e tá td certo! Bora praticar esse costumizinho safado e saudável q a gente gosta tanto! rs…bjsssss

    “VIVA DO SEU JEITO…PQ MODA MESMO, É O RESPEITO”

  7. Agrada aos olhos pois há equilíbrio na composição. Apesar da simplicidade, acredito que cada pedacinho desse foi bem pensado (e bem sentido <3) pelo morador. Eu creio que quando se põe sentimento a coisa toda flui naturalmente, seja com projetos complexos ou simples e despretensiosos como este. 🙂

  8. Eu também tenho esse costumezinho safado desde que me conheço por gente. Amo espiar dentro das casas das pessoas pra saber como moram…
    E super concordo com você: se te faz sentir bem, se te faz querer voltar no fim do dia é aí que tens que morar.

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here