Sobre mudanças de casa e novas expectativas

Meus pais eram bem ciganos, moramos em pelo menos 4 cidades até os meus 10 anos e dentro de cada cidade mudamos de casa pelo menos mais 4 vezes. Depois que saí da casa da minha vó para morar junto/sozinha, já estou na sétima casa e sinto que outras ainda virão, rs.

Mudar me parece tão natural que quando alguém diz que mora na mesma casa desde criança me soa totalmente estranho, e o primeiro pensamento que me vem é “Como aguenta?”. Hahahaha. Me questiono se realmente é pelo fato de sempre ter morado em casas alugadas, mas daí lembro de todas as circunstâncias, de todos os ciclos, de todos os caminhos que a vida me levou desde muito cedo e concluo que não, mudar nunca foi uma opção descabida, sempre foi por causa desse balanço da vida, da dinâmica de trabalho dos meus pais, das tentativas de acerto.

mudança

Só sei que sempre é uma novela. Como mudar de casa é cansativo minha gente, como exige da gente, não é mesmo? Tem todo o cansaço físico, de desmontar, encaixotar, se desfazer, limpar. Depois ainda vem o trajeto do caminho, das estradas, do choque cultural (Quando mudamos de Estado), dos sotaques, das incertezas. Logo em seguida o chegar, montar, desencaixotar, fazer de novo, preparar, se estabilizar, reconhecer, se apropriar do novo espaço e da nova vida. É uma demanda física e emocional que por mais que estejamos preparados mexe um bocado com tudo, dentro e fora da gente.

A parte mais bacana? A tela em branco, as novas expectativas, o momento em que saímos da zona de conforto e somos sacudidas para o novo. As primeiras semanas sempre são de desespero e caos, estive envolvida nesse cenário no último mês e posso dizer que tive pequenos surtos de ansiedade e vontade de largar tudo e fugir com o circo. A estafa que se instalou nesse corpinho que vos escreve não foi pequena, e mesmo com as coisas meio que no lugar, ainda sinto braços, pernas e mente cansados. O que anima mesmo são as possibilidades que vejo com essa nova mudança, com uma vida mais confortável, com a nova fase que se inicia, é muito massa.

Após quase três meses de procura e visita a muitos lugares (Lembram que contei aqui?), finalmente encontrei uma casinha que atende todas as expectativas, quer dizer, quase todas. Ainda é um pouco longe do centro da cidade que moro, não tem um quintal infinito como eu queria para as crianças, mas é espaçosa, iluminada, e com a quantidade de cômodos que preciso. Muitas paredes limpas e prontas para serem decoradas, ainda mais depois de ter deixado muitas coisas pra trás, inclusive meus potes de cozinha sem tampa! Não sou obrigada.

Acabo de entrar naquela fase de procurar inspirações em portais de decoração, em salvar links com ótimas dicas e referências, de criar pastas imagens, referências,  de garimpar produtos  e fazer listinhas desejo de consumo, rs.

Sim, eu seu que vocês estão querendo me matar por não tê-la mostrando ainda, mas próxima semana tem vídeo com o tour, e daqui a pouco outro post mostrando já a nova casinha por fora e por dentro (Pra que esse post também não fique grande demais).

O que aprendi com as minhas mil mudanças? Que nasci pra isso mesmo, sou meio Zeca Pagodinho com deixa a vida me levar, e tem dado certo. Vários portos, vários recomeços, várias adaptações.

Me chama que eu vou.

 

COMPARTILHE
Ana Medeiros
É a neta de D. Edite. Ana comanda o #ACQMVQ e vive diariamente decorando aqui e ali. Trabalha home office produzindo conteúdo para o blog e outras empresas das internetes. É mãe de dois pioios lindos, ama comer, desaguar nas palavras, e não dispensa uma caipirinha no fim de semana. Sabe que ser livre também é perder o controle, que morar é mais do que habitar e que um abraço apertado é melhor que banheira de ofurô.
Faça seu comentário

6 Comentários

  1. Deixe a vida te levar e SEJA FELIZ! Também já mudei muito, com meus pais e sozinha mesmo (não sou casada, nem tenho filhos), mas ADORO estar em locais diferentes e passar por tudo isso que você falou. Faz três anos que retornei à minha terra natal, Maceió/AL, depois de passar onze anos em Brasília (pela segunda vez fui morar lá). Construí um apezinho nos fundos da casa dos meus pais e estou bem feliz. SEJA FELIZ, você merece.

  2. Adoro saber das novidades , principalmente porque estou no mesmo processo exaustivo de mudança , mas muito animador e estimulante é o fato de poder decorar tudo novamente.Gosto das inspirações do estilo faça você mesmo.

  3. Oi Ana, sou aquela que nunca se mudou. Moro no mesmo lugar desde os meus três anos de vida, kkkkk
    Me casei e continuei morando no mesmo endereço. Sendo que construímos uma nova casa no mesmo quintal.
    Por ser filha única, preferi mora perto dos meus pais.
    Meus pais faleceram este ano. Faz cinco meses que minha mãe partiu e meu pai faz dois meses.
    Nos últimos anos vivi para eles. Agora disse para meu marido e filhos. Quero me mudar daqui, conhecer novos lugares. Acho que a cada mudança de residência uma nova vida se inicia. Moro no RJ e pretendo morar na Serra Gaúcha por uns tempos.
    Estou a acompanhar suas novidades.
    Sorte na nova moradia e etapa da sua vida.
    Te admiro muito.
    Tudo de bom querida,bjssss

  4. Boa sorte, nesta nova empreitada. Sou filha de pais que se mudaram muito e isso tem consequências, boas e más. Diferente do Zeca Pagodinho, acho que a vida NÃO nos leva. Ela nos apresenta desafios, dificuldades, oportunidades, mas somos nós que, dentro das nossas possibilidades, escolhemos o que fazer com tudo isso. A responsabilidade é nossa.

  5. Sei bem como é mudança…. sou filha de militar e já morei em umas 15 casas diferentes. Estou de mudança agora para janeiro e já estou começando a arrumar coisas (sou ansiosa!!!), aquelas que a gente não mexe sempre: livros, prataria, documentos e tals… uma coisa eu sei: mudanças são boas pra gente desapegar, quanta coisa sem uso a gente guarda meodeus!!! Descobrimos tantos brinquedos e cacarecos que trarão alegrias para outras pessoas. Vamos pra outra casa de alma limpa!!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here