Vamos conversar mais?

Muitas pessoas acompanhavam a Ana, depois começaram a acompanhar a família da Ana, depois as mil casas que Ana morou, a separação da Ana. A Ana que continua sem saber usar delineador, socorro, gente!

A Ana pós isso tudo ficou restrita apenas a uma conta pessoal no Instagram não divulgada aos quatro ventos. Na verdade, a Ana que vos escreve talvez esteja escondida há muitos anos, apesar de termos aqui posts falando sobre separação, sobre dor, sobre o fim de uma empresa, sobre se reinventar no trabalho, sobre a minha maternidade. É coisa que só! E são coisas importantes. E é sobre tudo isso que quero falar de novo quando propus comemorar meus dez ano de blogueirinha nas internetês, hehe (na verdade um pouco mais, mas fiquemos nos dez).

Não quero ser repetitiva, quero de alguma forma responder a tantas mulheres que chegaram em algum desses momentos expostos ou escondidos com algumas indagações, com directs ou emails. Se identificando, pedindo ajuda, querendo saber mais. tenho interesse nisso também, porque dessa forma, conseguirei fazer finalmente a transição que tanto venho tentando com o A casa que a minha Vó queria há mais de três anos: um lugar não só pra falamos sobre decoração e arquitetura, mas também sobre ser mulher, empreendedora, dona de casa, mãe solo, etc.

Quando cobram uma neutralidade sobre algo, como aconteceu agora com as eleições, onde perdi mais de 4.000 seguidores só no Instagram, após começar a expor em mais um processo eleitoral as minhas ideias e posições políticas (e talvez depois desse post ainda perca mais), preciso lembrar a tanta gente que felizmente sou uma blogueira e que esse blog sou eu, e isso é muito verdadeiro, sem em nenhum momento querer ser agressiva, por favor. Estou aqui não só pra compartilhar conhecimentos do meu nicho, mas também pra registrar partes importantes pra mim.

Então depois de algumas reflexões esses dias, estão aqui pautas dos 5 primeiros posts que venho escrevendo nas últimas semanas:

  • Medo de mudanças (seja ela de casa, estado civil ou atitudes nunca tidas)
  • O feminismo tão difícil de encarar
  • A desromantização da maternidade e redes de apoio
  • Se relacionar novamente com outras pessoas pós separação
  • O que não precisa estar somente sobre seus cuidados

Na segunda parte, os próximos 5, vou reservar para a minha relação com o morar, com a decoração e com a internet, mas também quero saber se estou esquecendo de algo ou se vocês querem sugerir outros temas. Pretendo gravar alguns vídeos também, chamar outras amigas pra colaborar e coisa e tal, haha.

Então é só mandar por email (avoqueria@gmail.com) ou falar aí mesmo nos comentários.

Até daqui a pouco <3

COMPARTILHE
Ana Medeiros
É a neta de D. Edite. Ana comanda o #ACQMVQ e vive diariamente decorando aqui e ali. Trabalha home office produzindo conteúdo para o blog e outras empresas das internetes. É mãe de dois pioios lindos, ama comer, desaguar nas palavras, e não dispensa uma caipirinha no fim de semana. Sabe que ser livre também é perder o controle, que morar é mais do que habitar e que um abraço apertado é melhor que banheira de ofurô.
Faça seu comentário

1 Comentário

  1. Ana, não sou de comentar… mas vez ou outra sempre dou uma espiadinha por aqui, pois me identifico com a sua forma de decorar a casa, me inspiro, desde os tempos que vc ainda era casada e havia acabado de se mudar pra Gravata (acho que é este o nome). Quando a seu posicionamento político?! Discordo! E te pararia de seguir por isto?! Jamais! Que mundo chato seria se todos pensassem da mesma forma… respeito e procuro entender os posicionamentos de cada um (afinal cada uma sabe sua história e onde o calo aperta)… me policio todos os dias pra não cair no poço comum de criticas e intolerância que virou este mundo virtual (e real tb). Segue na tua luta e que tenhamos um Brasil lindo e digno para todos brasileiros! Abraços!

Deixe uma resposta

Please enter your comment!
Please enter your name here